PÁGINA CRISTÃ

CLÍNICA DA ALMA
AUTO   AJUDA

Menu

        

contador gratuito

Links


 


 

UMA PÁGINA DE AUTO - AJUDA

TEMPO DE REFLETIR
Se você acordou esta manhã com mais saúde do que doença... você é mais
abençoado do que o milhão que não sobreviverá esta semana.
Se você nunca passou pelo perigo de uma batalha, a solidão de uma prisão,
a agonia de uma tortura, ou as aflições da fome, você está a frente de quinhentos milhões de pessoas no mundo.
Se você pode freqüentar uma sessão de igreja sem o medo de molestamento,
prisão, tortura, ou morte... você é mais abençoado do que três
bilhões de pessoas no mundo.
Se você tem comida no refrigerador, roupas no corpo, um telhado sobre a
cabeça e um lugar para dormir, você é mais rico do que setenta e cinco por cento desse mundo.
Se você tem dinheiro no banco, na carteira, e trocados em algum lugar...
você esta entre os oito por cento no topo desse rico mundo.
Se você mantém sua cabeça erguida com um sorriso no rosto e é realmente
agradecido...você é abençoado porque a maioria pode, mas não o faz.
Se você segura a mão de alguém, o abraça ou mesmo o toca no ombro...
você é abençoado porque está a oferecer o toque de cura de Deus.
Se você pode ler a Bíblia Sagrada, você recebeu o dobro de bênçãos daquele que pensou em você, e mais, você é mais abençoado do que dois bilhões no mundo que absolutamente não podem ou não sabem ler.
Tenha gratidão no seu coração. Louve a Deus por estar vivo e pela oportunidade de servir alguém, que, em algum lugar espera por você, por sua ajuda.

AS ESTAÇÕES DA VIDA

SOU FELIZ!! Graças á DEUS...
"Eu sou Eu Mesmo (a)"
Nunca culpe ninguém, nem se queixe de nada nem dos outros.
Porque somente você faz sua vida.
Aceite a responsabilidade de edificar-se a si mesmo e de acusar-se pelo fracasso para recomeçar a corrigir-se.
O triunfo do verdadeiro ser humano surge das cinzas do erro.
Nunca se queixe do meio onde vive ou dos que o cercam. Nesse mesmo ambiente, há os que souberam vencer.
As circunstâncias são boas ou más, de acordo com a vontade e a força de seu coração.
Aprenda a transformar qualquer situação difícil em uma arma triunfal.
Não se queixe da pobreza, do estado de saúde ou da sorte; enfrente-os corajosamente e aceite que, de qualquer modo, são resultado de seus atos...e a prova de que você deve vencer.
Não se queixe da falta de dinheiro.
Qualquer momento é bom para começar, e nenhum é tão terrível para desistir.
Não se amargure com os próprios fracassos nem os atribua a outros.
Aceite-se agora ou sempre dará desculpas como uma criança.Deixe de enganar-se.
Comece agora mesmo! Você é a causa de si mesmo, de sua tristeza, sua necessidade, sua dor, seu fracasso.
Sim você foi o ignorante, o viciado, o insaciável, o desordenado e o irresponsável. Você, mais ninguém.
A causa de seu presente é seu passado, como a de seu futuro será seu presente.
Aprenda com os fortes, os ativos, os audaciosos.Imite os corajosos, os enérgicos, os vencedores, os que não aceitam que uma situação seja difícil, os que vencem apesar de tudo.
Pense menos em seu problemas e mais em seu trabalho, e suas dificuldades acabarão.
Aprenda a ser maior que o mais forte dos obstáculos.
Dentro de você, há uma pessoa capaz de qualquer coisa. Olhe-se no espelho de si mesmo. Reconheça-se pela coragem e vontade, não pela
fraqueza de justificar-se.
Ao auto conhecer-se, você será livre e forte e deixará de ser uma marionete das circunstâncias.
Porque você é seu destino, e ninguém pode substituí-lo na construção dele.
Levante-se, olhe a manhã repleta de luminosidade e força, respire a luz do amanhecer. Você é parte da força da vida.
Desperte, caminhe, mexa-se, lute, decida-se.
E você triunfará na vida!!!!!Com as graças de DEUS....

LIDANDO COM A SOLIDÃO
Por Ken Korkow

Vivendo numa das maiores e mais populosas cidades do mundo ou trabalhando num escritório rodeado de pessoas, ainda assim podemos sentir profunda e esmagadora solidão. Não é espantoso? Apesar dos avanços do século XXI vivemos numa sociedade de pessoas solitárias. Uma pesquisa constatou que 15% dos entrevistados sentiam-se solitários a maior parte ou todo o tempo; 78% sentiam solidão pelo menos parte do tempo e apenas 6% disseram jamais ter e sentido sozinhos.

Charles Swindoll , escritor e locutor, descreve solidão como "a mais desolada das palavras". Ninguém está imune ao seu impacto devastador. Muitos já constataram a verdade e sabedoria contidas no adágio: "É solitário estar no topo". Imagino que líderes de governo, altos executivos de bem sucedidas corporações, até mesmo aclamados e celebrados atletas e artistas compartilham as aflições da solidão - pelo menos parte do tempo.

Na Bíblia, o apóstolo Paulo, um dos mais destacados líderes da igreja primitiva, descreveu episódios de solidão em II Timóteo 4.6-21. Assim, mesmo aqueles que são intensamente espirituais e devotados a Deus, também lutam com as profundezas da solidão. Examinemos algumas causas comuns da solidão e sugestões de como lidar com ela.

Algumas Causas de Solidão

. Transições na vida - A vida envolve uma série de transições que vai desde o nascimento, passa pelo primeiro contato com a Escola, formatura, primeiro emprego, casamento, paternidade, até à aposentadoria. Toda mudança na vida carrega a tendência para a solidão.

. Separação - Podemos possuir todas as coisas e ter todo o dinheiro do mundo, mas estar sozinho numa ilha e sentir-se miserável. Fomos criados para estarmos uns com os outros. Alguns mudam de casa e ficam sem raízes. Separações em razão de convocações militares, carreira, doenças, divórcios ou morte podem provocar solidão.

. Oposição - Quando do nos sentimos atacados, ridicularizados ou criticados, há uma tendência para o recolhimento, que gera solidão.

. Rejeição - Quando somos traídos, esquecidos ou abandonados, podemos sentir solidão. Uma de nossas maiores necessidades é a de sermos aceitos. Rejeição causa solidão.

Como você tem lidado com a solidão? Alguns usam drogas, bebem, tentam marcar encontros pela Internet ou se valem de outros meios para obter alívio. Certo homem chegou de ir ao médico para ver se tinha "múltiplas personalidades", somente para ter "alguém" com quem conviver!

Lidando Com a Solidão

. Utilize seu tempo - Resista à tentação de não fazer nada. Use seu tempo para cuidar de suas necessidades físicas, alimentando-se corretamente, descansando, exercitando-se, evitando drogas e álcool e cuidando de sua aparência.

. Cuide-se mental, espiritual e socialmente - Não fique viciado em televisão. Leia bons livros e revistas. Cuide de suas necessidades espirituais, lendo a Bíblia. Ela proporciona orientação, instrução, encorajamento e esperança. Ore e passe algum tempo com pessoas que compartilhem sua fé. Cuide de suas necessidades sociais, cultivando amizades. Tome a iniciativa, mas seja generoso e paciente. Amizade leva tempo. Encontre alguém que esteja em pior estado do que o seu e ajude-o.

- ”Minimize o sofrimento” - Não fique remoendo o sofrimento em sua mente, vezes e mais vezes. Não se torne amargo nem rancoroso. Ninguém gosta de ficar perto de pessoas cínicas ou ressentidas. Aborde o problema, lidando com ele. Não lhe dê demasiada importância , mas ore a respeito.

. “Reconheça a presença de Deus” - Onde está Deus quando nos sentimos sós? Deus está em toda parte. Não existe lugar onde estejamos que Ele também não esteja. Ele prometeu: "Nunca o deixarei, jamais o abandonarei" (Josué 1.5). Abra os olhos e reconheça a Sua presença.



OS TRAUMAS FAMILIARES

INTRODUÇÃO
. A família influencia e causa um grande impacto em cada um de nós
. Sua influência pode ser boa ou ruim, para o bem ou para o mal
. Sua influência afeta nosso caráter e o que seremos no futuro
. Muitos dos hábitos, sentimentos e princípios que trazemos, os recebemos no contexto da família

1- O PROPÓSITO DE DEUS AO ESTABELECER A FAMÍLIA
Nos marcar com hábitos bons
Nos abençoar com amor, proteção, aceitação, suprimentos, etc
Nos compreender e nos aceitar
Nos fazer pessoas estáveis, seguras e bem afirmadas emocionalmente

. Deus definiu nossa família para demonstrar atenção, suprir nossas necessidades, suprir nossos sentimentos;
. Deus planejou com que a família fosse um escola de treinamento para o êxito na vida (ou seja para que desde pequenos fossemos valorizados e amados nas pequenas e grandes vitórias)
. Deus criou a família para que tivéssemos méritos, e através deles (estímulos) não fôssemos pessoas amargas, rebeldes, inseguros...

. Porém, o pecado afetou profundamente o propósito original de Deus. Com isto vieram os conflitos familiares (abandono, mágoa, ressentimento, rejeição familiar, ausência dos pais, discórdias, separações, etc) e a conseqüência disto são os traumas familiares.

2- OS TRAUMAS FAMILIARES
. Os traumas familiares são a causa da existência de um grande número de famílias disfuncionais.
. Família Disfuncional = família que não funciona conforme o propósito de Deus
. Num mundo marcado pelo pecado, as famílias estão esfaceladas, e ao estarem esfaceladas emocionalmente, criam filhos esfacelados. E a cada geração os sintomas vão se agravando...
. A célula máter da sociedade se tornou um lugar de guerra, discórdias, dissensões, rebeldia, separações.
.Tem gerado pessoas disfuncionais, com personalidades destruídas, distorcidas, machucadas, feridas, inseguras, rebeldes, etc.
. Na palavra de Deus nós vemos famílias que passaram por problemas e que necessitaram de auxílio divino para serem curadas. Vejamos alguns exemplos bíblicos de homens de Deus, que em determinado momento de vida foram instrumentos para ferirem a vida de seus próprios filhos, irmãos, pais, esposas...

2.1 – A FAMÍLIA DE ADÃO – Gn 4.1-7
. Caim e Abel eram diferentes
. Caim era lavrador e Abel era pastor de ovelhas
. Caim trouxe oferta ao Senhor do fruto da terra / Abel trouxe dos primogênitos das ovelhas.
“mas para Caim e para a sua oferta não atentou. Pelo que irou-se Caim fortemente, e descaiu-lhe o semblante.
Então o Senhor perguntou a Caim: Por que te iraste? e por que está descaído o teu semblante? Porventura se
procederes bem, não se há de levantar o teu semblante? e se não procederes bem, o pecado jaz à porta, e sobre ti
será o seu desejo; mas sobre ele tu deves dominar.
. O Egoísmo, o ciúmes, a inveja e a ira racham a primeira família da terra.
. Caim se irou contra Deus e se desfigurou...
. Conflitos entre os irmãos ainda continuam vivos até o dia de hoje gerando morte nos relacionamentos, morte nos laços de amizade e fraternidade, gerando traumas e feridas.
. A medida que o pecado entra na família, entra também o conflito e os traumas

2.2 - A FAMÍLIA DE NOÉ – Gn 9.1 ; 20-23
. Sendo Noé lavrador, passou a plantar um vinha. Bebendo do vinho, embriagou-se e se pôs nu dentro de sua tenda. Cão, pai de Canaã, vendo a nudez do Pai , fé-lo saber, fora, a seus dois irmãos.
. Uma família com a promessa e incubência de frutificar e multiplicar entra em conflitos
. Um Pai que não tinha nada que se embriagar, quanto mais estar nu onde não devia
. Um filho que, a despeito do erro do pai, não devia desrespeita-lo como autoridade.
. Desrespeito mútuo. Difamação familiar . Insubmissão a autoridades
. CONSEQUÊNCIAS: MALDIÇÃO EM CÃO - Multiplica-se a Rebeldia
2.3 - A FAMÍLIA DE ABRAÃO
. Abraão vai para o Egito e diz que Sara é sua irmã (isto gera rejeição em Sara – sua esposa)
. Sara rejeita a Agar - . Agar rejeita o filho (Ismael) , uma nação inteira é rejeitada
. Uma família de preferências e acepção de filhos:
- Abraão preferiu Isaque - Isaque preferiu Jacó - Jacó preferiu José - José preferiu Manassés
. Abraão e Ló (Tio e Sobrinho) tiveram que se separar
. Uma família marcada por mentiras, rejeição, acepção de pessoas, separação..

2.4 – A Família de Jacó
. José era o filho preferido do Pai . Claro ! Ele era o queridinho da velhice de Jacó!
. José era filho da mulher que ele amava.
. Ciúmes e revolta entre os irmãos.
. Aqui temos uma Injustiça familiar: Jacó faz uma túnica para José (representava a autoridade e realeza que somente os primogênitos teriam direito de recebe-la)
. Aqui temos uma confusão e intriga familiar: Por ser mais amado que seus irmãos, estes o venderam a uma caravana que o levou ao Egito.
. Aqui temos um grande trauma familiar: Quando José foi vendido...
Trataram-no asperamente (tiraram-lhe a túnica e o lançaram no poço)
Deixaram-no preso num poço por 1 noite.
Venderam José por 20 moedas
Mentiram sobre sua túnica (manchada de sangue de animal)
. No Egito dá a volta por cima e se torna governador
. Aqui temos um grande trauma familiar:
Cerca de 20 anos se passaram
A posição de José no Egito não apagou suas feridas
José nunca voltou para casa , nem os procurou( por que não? já que agora podia ir ou buscar)
O tempo e a posição não podem apagar suas feridas. Elas precisam ser curadas
José levava a dor no coração e as feridas de rejeição que ainda carregava contra seus irmãos
Teve 2 filhos: Atestados do seus traumas
. Manasses: “Deus me fez esquecer”
Esquecer do quê ? Do seu passado, de seus traumas familiares.
“Eu me esqueço do que meus irmãos fizeram comigo” SERÁ ???
. EFRAIM: “DEUS ME FEZ PRÓSPERO NA TERRA DA MINHA AFLIÇÃO”
“Aqui é o lugar que eu estou, mas não é o lugar onde gostaria de estar; eu queria é estar na terra de meu Deus e do meu Pai”. Aflição e dores no meio da prosperidade
Quando José se depara com seus irmãos, ele prepara uma vingança. Agora ele vai fazer o mesmo que fizeram com Ele. Suas feridas estão vivas em sua mente.
Tratou-os asperamente - Gen 42.7
Os colocou na prisão por 3 dias
Devolve as moedas. Lembrando do barulho das mesmas moedas que seus irmãos receberam na noite em que ele foi vendido.
Mente, devolvendo o dinheiro , diz que eles é que roubaram.
Uma pessoa ferida que está ferindo e escondendo seus traumas familiares
. Chora escondido – Gen 42.24 – Choro de uma pessoa ferida.
. Ódio e amor se misturam em feridas familiares (Benjamim) Gen 43.29,30

O PROCESSO DE CURA NA FAMÍLIA:
. José só se deixou ser tratado quando fez-se conhecido de seus irmãos. Quando encarou a realidade e enfrentou-a . Gen 45.1-4.
. Desde este momento ele chorou intensamente. O choro que estava engasgado há 20 anos.
. Ele chorou a dor da alma que não chorava há 20 anos.
. Depois do choro e do perdão ele entrou num processo de cura em seus relacionamentos familiares. Só a partir de então Ele foi um canal de Deus para preservar a vida de sua família e abençoa-la.

CONCLUSÃO: Deus ama a família e quer remover todas as mazelas que tenta destruí-la.

O PROCESSO DA CURA

Texto: Mc 1: 29-31
Textos Complementares: Mc 11.24; Hb 10:23; Rm 4.17 e 21; Mc 5.18-20.

Versículo para Memorizar: “Ele foi até o lugar onde ela estava, segurou a sua mão e ajudou-a a levantar-se. A febre desapareceu, e ela começou a cuidar deles”.(Mc 1:31).

INTRODUÇÃO: A cura da sogra de Pedro se deu de forma gradual até chegar à plena concretização. Tal processo nos ensina a respeito de como obtermos a vitória almejada diante de nossas adversidades. Seja para as questões de saúde, para as finanças, ou outra área qualquer. Deus, em Sua Palavra, sempre nos apresenta um caminho pelo qual podemos trilhar, certos de que os resultados esperados vão acontecer.

1 - “...SEGUROU A SUA MÃO E AJUDOU-A A LEVANTAR-SE...”.
Quando Jesus chegou à casa da sogra de Pedro, vendo-a deitada, porque estava doente, logo tomou a iniciativa de caminhar em sua direção para ministrar-lhe a cura. Nessa ocasião não houve imposição de mãos, repreensão da enfermidade, ou qualquer outra coisa percebida. Simplesmente Ele a tomou pela mão e a levantou. Observamos que a mulher tomada pela mão e levantada por Jesus, ainda estava doente quando estas coisas aconteceram. Ele não se levantou, portanto, porque tinha sido curada, mas foi curada porque se levantou. A atitude de se levantar antes da cura manifesta, fazia parte de quem não precisava ver os sinais para crer. Uma pessoa assim crê, a despeito das evidências físicas, externas ou materiais.
O Evangelho de Marcos nos fala desse tipo de fé, em 11:24 “Por isso eu digo: quando orarem e pedirem alguma coisa, creiam que já a receberam, e assim tudo será dado a vocês”.
Creia que você já recebeu o que ainda não está em suas mãos. Tenha fé que a benção virá como conseqüência de uma fé inabalável na promessa d’aquele que é fiel e Verdadeiro.

2 - “...A FEBRE DESAPARECEU...”
Agora sim, a evidência de cura se manifesta. Se a febre a deixou é porque aquilo que a provocava não se encontrava mais em seu corpo. Ao se levantar, tomando uma atitude de pessoa curada, a enfermidade teve de dar lugar à cura de Deus. Sim, quando aquela mulher passou a adotar a postura de alguém que fora curada por Deus, ainda que não de forma manifesta, entendeu que o leito de enfermidade já não estava mais em sintonia com o que ela cria e confessava. Foi então que se levantou, ficando logo em seguida livre da febre.
As nossas atitudes precisam estar em harmonia com a nossa confissão. Se eu confesso cura, as minhas ações devem ser de alguém que se vê curado, ainda que, no início, somente aos olhos da fé (Hb 10.23).
Em Romanos 4.17 e 21 vemos um exemplo desse tipo de fé: “(Como dizem as Escrituras Sagradas: ”Tenho feito que você seja pai de muitas nações”. Assim a promessa é garantida por Deus, em quem Abraão creu, o Deus que ressuscita os mortos e faz existir o que não existia... porque tinha toda a certeza de que Deus podia fazer o que havia prometido”).

3 - “... E ELA COMEÇOU A CUIDAR DELES...”.
Jesus identificou que aquela enfermidade tinha de ser confrontada, tanto porque maltratava o corpo, quanto impedia uma pessoa preciosa de cumprir o propósito para o qual existia: servir a Jesus e aos seus discípulos. Naquele leito ela estava impotente, incompleta e frustrada. A enfermidade prejudicava o seu corpo, tanto quanto afetava a alma, frustrada pela impossibilidade de servir aos outros. Jesus não apenas restituiu-lhe a saúde, como também o seu ministério atrofiado por uma enfermidade.
Certa vez, Jesus libertou um homem endemoninhado. Após esse evento, o que fora liberto recebeu a incumbência de voltar para casa e anunciar aos seus parentes tudo quanto o Senhor havia feito por ele (Mc 5.18-20), aquele homem estava aprisionado não apenas no corpo, por espíritos malignos, mas, acima de tudo, em seu ministério. Jesus o libertou no corpo para que ele se tornasse um conquistador de cidades.

“CONCLUSÃO:” o processo de cura na vida da sogra de Pedro começou com Jesus tomando-a pela mão. Levantando-a pela fé, até que ela desse conta de que já estava curada, à ponto de sentir encorajada e servi-los. Primeiro teve de se levantar e adotar uma postura de pessoa curada e não mais enferma. Quando adotou essa postura, a febre a deixou.

APLICAÇÃO: Hoje você pode declarar o cumprimento de uma promessa recebida da parte de Deus, antes mesmo que ela se manifeste; assumindo o compromisso de andar de acordo com a sua declaração de fé. Permita o toque do Senhor agora mesmo, em alguma área da sua vida que necessite de cura e restauração. Ele está aqui neste momento. Sinta a sua presença!

A IMPORTÂNCIA DA ORAÇÃO

Texto: Mc 1.32-39
Textos Complementares: Fl 4.6; 2 Co 3.4-5; Mt 26.39; At 16.9-10; Pv 3.5-6; Sl 139.23-24; Jo 16.8 2 13.

INTRODUÇÃO: depois de um grande acontecimento e antes de novos desafios. Jesus sempre encontrava com Deus por meio da oração. Ela ocupava o lugar central na vida do Mestre, como observaremos nesta lição.


1 – A ORAÇÃO APÓS ACONTECIMENTOS IMPORTANTES DA VIDA

A Bíblia relata o êxito conquistado por Jesus ao pregar o Evangelho na cidade onde se encontrava, havendo expulsado dela muitos demônios e curado vários enfermos. Era aquele, certamente, um dia de grande regozijo e de plena satisfação em Seu espírito.
Cremos que em seu momento de oração pela manhã, todos os acontecimentos do dia anterior vieram à sua lembrança, suscitando n´Ele uma atitude de louvor e gratidão por tudo o que o Pai havia feito por Seu intermédio.
Aquele tempo de oração, portanto, foi uma oportunidade maravilhosa para render a Deus toda a gratidão, e todo o louvor pelos grandes feitos operados em favor da multidão (Fl 4.6 “... Com ações de graças”).
O nosso tempo devocional também pode ser um recurso divino para nos livrar de qualquer possibilidade de glória pessoal. Após um grande acontecimento, corremos o risco de achar que a vitória tenha se dado pela nossa própria capacidade (2 Co 3.4-5). Quando não reconhecemos o verdadeiro Autor da obra, deixamo-nos seduzir pela soberba, prepotência e orgulho.
Não há melhor lugar para crucificar o ego do que no ambiente secreto da oração e da intimidade com Deus. Ali Ele se nos revela como a fonte de toda a bênção e virtude.
Em outras ocasiões Jesus enfrentou situações não tão agradáveis como as relatadas nesta lição. Perseguição, injúria, ódio, por parte de Seus oponentes, fizeram do lugar de oração uma oportunidade para cura e restauração de Sua alma. Dali, certamente, muitas vidas foram liberadas por meio do perdão divino que fluía de Seu coração.

2 – A ORAÇÃO ANTES DOS NOVOS DESAFIOS DA VIDA

Jesus não se sentiu no direito de “deitar-se em berço esplêndido”, só pelo fato de haver conseguido uma grande vitória no dia anterior. O tempo de oração passado a sós com Deus, não apenas O ajudou olhar para trás e ver o que de bom havia acontecido, como também a olhar para frente, a fim de ver os novos desafios que O aguardavam adiante.
Aquele tempo de intimidade com o Pai foi suficiente para aguçar em seu coração o forte desejo de buscar outras pessoas, em outros lugares ainda não evangelizados. “Vamos aos povoados que ficam perto daqui...” essa foi a palavra do Senhor quando os seus discípulos O procuraram, querendo que Ele pregasse para as mesmas pessoas, já posicionadas à porta da cidade.
Se Jesus não tivesse o hábito de recorrer a Deus pela oração, não teria como saber se ficava ali mais um pouco, ou se partia para outros lugares. A necessidade do momento, o pedido dos discípulos e o clamor da multidão podiam ofuscar-lhe a visão do que Deus realmente queria para àquela hora.
No tempo passado a sós com Deus, Ele sempre nos aponta a direção segura a tomar. Por meio dessa vida de intimidade com o Pai, adquirimos a sensibilidade espiritual necessária para percebermos onde se manifestam as reais necessidades, de acordo com a ótica divina, e não a nossa. Assim nos livramos dos espíritos de comodismo e ativismos, tão prejudiciais para o avanço do Evangelho (At 16.9-10).
O mesmo se aplica às questões pessoais, que terão um encaminhamento todo especial quando colocarmos a oração em primeiro lugar (Pv 3.5-6).

3 – A ORAÇÃO E A CONFIRMAÇÃO DE UM PROPÓSITO DE VIDA

Quando Jesus respondeu aos Seus discípulos que devia ir às outras partes para pregar o Evangelho também ali, acrescentou: “...porque foi para isso que eu vim”. Durante aquele glorioso período de oração, Deus pôde renovar-Lhe o chamado e o propósito de Sua vida.
Jesus sempre esteve consciente da Sua missão na terra. Mas foi a Sua intensa e perseverante busca pela presença do Pai, que o manteve sóbrio, dentro do propósito original sem se desviar para a direita ou para a esquerda.
Vivemos num mundo em que constantemente está nos oferecendo opções de vários caminhos a seguir. Nossa atenção é traída por palavras, visões, acontecimentos diversos. Se não tivermos o devido cuidado, pouco a pouco, nos distanciaremos do propósito original, enveredando-nos por outros caminhos, aparentemente bons.
A oração, contudo, tem o poder de liberar a ação do Espírito Santo em nosso interior, para fazer a sondagem necessária dos caminhos que existem dentro do coração (Salmo 139:23,24). É o Espírito quem identifica as motivações indevidas, o engano, a visão paralela e o pecado. Ao revelar essas coisas no nosso íntimo, graciosamente Ele nos conduz ao arrependimento e à Verdade, para que não mais andemos enganados à respeito dos nossos caminhos (João 16:8 e 13). Na oração, ajustamos o foco da nossa visão e temos condições de dizer com firmeza a que viemos.

”CONCLUSÃO”: Depois de um grande dia de milagres, e antes de novas e grandes realizações, Jesus deu uma pausa para buscar ao Pai em oração. Ele aprendeu que a Sua vida devocional tinha de fazer parte de todos os momentos da Sua vida. Por meio dessas ricas experiências, pensamentos, sentimentos intenções e propósitos, podiam ser ajustados ao plano original que o Pai tinha para Sua vida.

“APLICAÇÃO:” Não podemos apenas aprender sobre oração; precisamos vivê-la. Separe agora um tempo de qualidade para estar a sós com Deus, e perceba quantas coisas novas serão reveladas ao seu coração, como resposta à sua busca.




TOCANDO A ALMA PARA CURAR O CORPO

Texto: Mc 1.40-42 – Textos Complementares: Lc 19.10; Mt 9.36; Mt 14.14; Lc 10.33; Lc 15.20.

Versículo Para Memorizar: “Jesus ficou com muita pena dele, pôs a mão sobre ele e disse: Sim, eu quero. Você está curado”. (Mc 1.41).

INTRODUÇÃO: A lepra era uma doença terrível nos tempos bíblicos. Não somente por causa do sofrimento físico, mas pela agonia emocional que seu portador experimentava, tendo que se afastar da sociedade para viver isoladamente. A alma do leproso, geralmente, era mais enferma do que o seu corpo. Sua solidão o deixava em estado de permanente tristeza. Jesus sabia, portanto, que a cura daquele homem devia se processar, primeiro, em sua alma, para depois se manifestar em seu corpo. Vejamos como Ele lidou com este problema.

1 – JESUS DESEJOU CURÁ-LO – É óbvio que Jesus desejou curar aquele homem, como curou a muitas outras pessoas. Veja que o doente se aproximou d´Ele implorando que algo se fizesse a seu favor, mas como uma certa dose de desconfiança. Talvez ele pensasse na possibilidade de estar diante de mais um que não desejasse fazer-lhe qualquer coisa, como a grande maioria que o via todos os dias.
A coisa mais comum na vida de um leproso era se deparar com pessoas que queriam mais estar longe dele, do que prontas a ajudá-lo. Muitos, quando viam se aproximar alguém com uma doença assim gritavam em voz alta, dizendo: “um leproso!!!”, “um leproso!!!” e, em seguida, atiravam pedras para mantê-las à distância. Por essa razão, ele disse: Se quiseres...”
Mas Jesus queria curá-lo. Glória a Deus!!!
Isso demonstra que não há barreiras criadas pelo homem, que o amor divino não esteja disposto a derrubar. Ele veio realmente buscar e salvar o que se havia perdido (Lc 19.10).

2 – JESUS SE COMPADECEU DELE – O que a alma daquele homem mais precisava naquele momento, não era de pessoas que gritassem desesperadamente: “leproso!!! ... leproso!!! ... leproso!!!”. Muito menos de pedras que o colocassem mais adiante ainda dos outros. Ele precisava de alguém que simplesmente o amasse. Não queria mais ser conhecido como “o leproso”, mas como alguém “limpo”.
Jesus se compadeceu dele, vendo sua agonia e o intenso desejo de ser diferente do que era.
Muitos hoje, também não querem mais ser conhecidos com o título de “drogados”, “viciados”, “bêbados”, “prostitutas”. Eles querem apenas conhecer alguém que se compadeça do triste estado em que se encontram, e que faça algo para mudar a sua realidade de vida.
A compaixão de Jesus sempre moveu a mão de Deus para coisas tremendas (Mt 9.36; Mt 14.14; Lc 10.33; Lc 15.20). e no caso do leproso, não foi diferente.

3 – JESUS O TOCOU – Um toque de cura. O leproso recebeu um toque cheio de graça, de unção, de compaixão e de misericórdia. Jesus o tocou como há muito tempo ele não era tocado. Desta vez não foi o toque das pedras ou pedaços de pau. Foi um toque de amor no físico, profundo o suficiente para alcançar sua alma ferida, e seu espírito morto.
O toque físico curou-o da sua horrível lepra. O da alma libertou-o da rejeição sofrida durante todos os anos da sua vida. O toque do espírito fez dele um novo homem de coração limpo. Tão limpo se tornou, a ponto de desejar ardentemente anunciar por toda parte o que Jesus havia feito por ele.
Quando o Senhor o tocou, todos os anos em que estivera confinado ao seu mundo solitário, chegaram ao fim. Ele estava livre da doença física, bem como da enfermidade da alma. Por isso desejava estar na companhia das outras pessoas, anunciando as verdades do Evangelho, sem impedimento algum.

“CONCLUSÃO” – Jesus precisou demonstrar àquele leproso que o maior desejo do Seu coração era o de curá-lo e libertá-lo daquele mal. Tocando em seu corpo, sem preconceito e sem medo de contaminação, pôde mostrar-lhe o quanto o amava e estava interessado nele. Depois de abrir o coração para o grande amor divino, o homem saiu daquela experiência totalmente curado, em todos os níveis de sua vida.

“APLICAÇÃO” – Não importa o tipo de doença que você tenha ou pecado que haja cometido. Jesus deseja perdoá-lo e curá-lo agora mesmo. Creia que neste exato momento Ele está se dirigindo a você para tocar sua alma e seu corpo, trazendo toda cura que você necessita.


ATITUDES QUE MUDAM CIRCUNSTÂNCIAS

Texto: Mc 2.1-5, 10-12 – Textos Complementares: Hb 11.1-3; Mc 2.5a; Tg 2.14-26; Rm 8.37-39.

Versículo para Memorizar: “Quando viu que eles tinham fé, Jesus disse ao paralítico: Filho, os seus pecados estão perdoados.” (Mc 2.5).

INTRODUÇÃO: Falaremos nesta ocasião sobre a atitude de quatro homens que mudou a vida de um paralítico. Veremos o que fizeram para viabilizar um acontecimento milagroso.

1 – TIVERAM UMA VISÃO DE FÉ – Os quatro amigos do paralítico agiram em seu favor por causa de uma visão de fé. Eles se negaram a aceitar a realidade da paralisia no corpo do companheiro, e, em seus corações, começaram a vê-lo são e totalmente livre de qualquer deficiência. A cura aconteceu, primeiro, no coração dos amigos, para depois ser uma realidade no corpo do paralítico.
É assim que as coisas funcionam no reino espiritual. O que desejamos que aconteça, primeiro, tem de nascer em nossos corações, para que depois se materializem (Hb 11.1-3).
Os homens creram que Jesus podia fazer algo pelo doente, e por isso, envidaram seus esforços na concretização daquele ideal.

2 – TRANSFORMARAM A FÉ EM OBRAS – Os amigos do paralítico realmente creram que Jesus podia fazer algo por ele. Eles provaram tal fé quando a demonstraram por meio de atitudes concretas, sem as quais nada aconteceria. Sim, eles revelaram o quanto acreditavam num milagre, por meio do que fizeram de real.
Cada um pegou numa ponta da maca, juntos ergueram o doente, caminharam, por entre a multidão, subiram em cima da casa, tiraram a telha e o desceram. Essa era a parte que lhes cabia, e a fizeram muito bem. Por esse motivo a Bíblia disse: “vendo-lhes a fé” (Mc 2.5a).
Como Jesus pôde ver algo invisível como a fé? Por meio das obras! É como se a fé fosse o espírito, e a obra, o corpo. O espírito não se pode ver, mas o corpo sim. É disso que nos fala Tiago 2.14-26, de cujo texto queremos extrair algumas frases, que consideramos mais relevantes.
“Meus irmãos, que adianta alguém dizer que tem fé se não dá provas disso? Será que essa fé pode salvá-lo? ...Portanto a fé é assim: se não vier acompanhada de ação, é coisa morta em si mesmo. Mas alguém poderá dizer: você tem fé, e eu tenho boas ações. E eu respondo: então me mostre como é possível ter fé sem ter boas ações. Eu vou lhe mostrar a minha fé por meio das minhas ações”.

3 – MANTIVERAM A ATITUDE DE VENCEDORES – É interessante perceber como aqueles homens mantiveram a atitude de vencedores, a despeito das dificuldades apresentadas. Notemos que a oposição surgida, não foi apenas a da multidão à porta da casa, impedindo a passagem da maca. Outras maiores tiveram de ser superadas.
A primeira, talvez, tenha sido a da incredulidade. É possível que eles tenham pensado em desistir, diante do grande desafio. Quem sabe, não tenham chegado a pensar que não valia a pena tanto esforço para uma eventual frustração.
A segunda barreira vencida foi a da indisposição. Até que ponto eles estariam realmente dispostos a levar aquilo até o fim?
A terceira, como já citamos, a da multidão à porta da casa. Poderiam ter pensado que o Messias não teria tempo ou interesse de ajudar seu amigo, estando ocupado demais com as necessidades dos outros.
Mas eles não pensaram assim. Glória a Deus!
A última barreira vencida foi a do telhado removido para a passagem da maca.
Enfim, apesar dos muitos obstáculos, eles não se deixaram intimidar por nenhum deles. Em todo o tempo mantiveram uma atitude de vencedores (Rm 8.37-39). Cremos ser esta a atitude de qualquer um que se propõe a ver cumprido um sonho de Deus plantado no coração.

“CONCLUSÃO:” Aqueles quatro homens, amigos do paralítico, demonstraram a verdadeira fé que se manifesta por intermédio de obras. Enfrentaram todos os obstáculos do caminho, e voltaram para suas casas satisfeitos pela vitória obtida: a cura e a salvação de um amigo especial.

APLICAÇÃO: Como você pode colocar a sua fé em prática, agora mesmo? Procure lembrar-se de alguma situação que necessite de mudança em sua vida ou na de outros. Não fique apenas na oração. Descubra o que você pode fazer de concreto para mudar tal circunstância, e mãos à obra!
Dependa de Jesus em tudo!