PÁGINA CRISTÃ

MENSAGENS QUE EDIFICAM

NÃO BASTA CONQUISTAR A SABEDORIA: É PRECISO USÁ-LA.


Menu

    

contador free
 

Links


 


 


BASES SEGURAS PARA UM CASAMENTO FELIZ E DURADOURO

A felicidade conjugal é uma “construção” que demanda tempo, paciência, investimento e, acima de tudo, muito amor. 

Tal qual construção de um prédio que necessita de bases sólidas para manter-se de pé, assim é a vida conjugal, necessita de bases seguras para sua sustentação: 

Amor. E a base principal par o sucesso conjugal. A longevidade de qualquer casamento se firma nesta base. Sem amor as demais coisas perdem o sentido. Com amor o casal supera obstáculos, vence desafios e fortalece a família. . Aprendam a valorizar as pequenas coisas, elas é que fazem as granes diferenças. O amor romântico faz falta, mas o amor agapê ou  agapaô é mais importante  e não é o amor que sustenta um casamento é sim o casamento que sustenta o amor

. Cuidado com a rotina. Não percam o encanto, a atração. Sejam carinhosos . 

Compreensão e respeito mútuo. Evidentemente que homem e mulher só se conhecerão realmente após o casamento. A necessidade da compreensão se manifesta de imediato, bem como do respeito. Quando um não se empenha por compreender o outro o egoísmo se aflora trazendo consigo muitos malefícios na relação. O respeito entre ambos deve ser prioridade. Sem respeito o relacionamento se desgasta com muita facilidade. Perdendo-se a credibilidade e o encanto entre ambos . Somente através da compreensão o perdão é praticado, e somente através do respeito o casamento alcança sua maturidade almejada. 

Humildade.
A Bíblia nos afirma que diante da honra vai a humildade (Pv.15:38) A humildade é uma questão de caráter. Não se aprende na escola e nem se adquire em cursos e palestras. O reconhecimento de faltas cometidas e os pedidos de perdão são demonstrações de um coração humilde.Hb.12:15 – Mc.11:25,26. No relacionamento conjugal, aprender a ceder é fundamental, pois a partir do momento em que ambos dizem o sim diante do Altar do Senhor, tanto homem como mulher deverão priorizar um ao outro. Gn.2:24 

Sinceridade. Uma das coisas mais devastadoras no casamento é a mentira. Aquele que mente, tanto engana a si mesmo como aos outros. Como instrumento do Diabo, a mentira mina a confiança, desestabiliza a união conjugal e propicia aberturas para a separação. Quem é feliz ao lado de alguém que mente? Dizer a verdade deve ser prioridade ente os cônjuges. Nada de subterfúgios, nada de segredos, nada de mentiras. Mentir é fracassar ( zac.8:16) A prática do diálogo, franco e sincero é o caminho certo para os ajustes e uma convivência feliz. Portanto, usemos as armas da luz... Rom. 13:12 

Renúncia. Aprendemos com os mais antigos que a marcha mais usada na “condução” do casamento é a marcha “ré”. Isto porque, a partir do momento da efetivação do casamento, tanto homem como mulher deverão priorizar um ao outro. A Bíblia nos ensina que os casados cuidam das coisas objetivando agradar um ao outro (ICor.7:33,34) No livro do Genesis,cap.2 versículo 24 nos diz que o homem ao se casar deverá deixar a casa paterna para viver com sua esposa. Isto não significa “abandonar” os pais e nem desprezá-los. Isto fala da priorização do homem a sua família , ao seu novo lar. Sus pais agora são parentes a família é os dois e os herdeiros que vierem.

 Mantenha a estabilidade Um casamento estável não é uma relação sem problemas, isso seria utopia. Entretanto é totalmente possível retomar o equilíbrio sempre que alguma intempérie ameaçar a boa convivência. Assim, diante das dificuldades normais do cotidiano, um 

casamento se mantém estável quando os cônjuges buscam a calma, a tolerância e a resignação. Quando um percebe que o outro se afasta, esforça-se para trazê-lo de volta.

"O casamento é como uma longa viagem em um pequeno barco a remo: se um passageiro começar a balançar o barco, o outro terá que estabilizá-lo; caso contrário, os dois afundarão juntos".

Família - ALICERCES DO CASAMENTO


Prs. Wilson e Cláudia Ayub

Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma só carne. E ambos estavam nus, o homem e a sua mulher; e não se envergonhavam.” (Gn 2:24,25)

Quando Deus criou o casamento, Ele o fez para que homem e mulher pudessem completar um ao outro em suas necessidades espirituais, emocionais, intelectuais, físicas e sociais. Para que o casamento cumpra o propósito é necessário, porém, que esteja alicerçado na Rocha que é Jesus.

O alicerce é a base sobre a qual se constrói um muro, uma casa, um edifício. A Bíblia diz em Lucas 6:48 “É semelhante a um homem que, edificando uma casa, cavou, abriu profunda vala e lançou alicerce sobre a rocha; e, vindo a enchente, arrojou-se o rio contra aquela casa e não a pôde abalar, por ter sido bem construída.”

O fato é que quando casamos trazemos toda a carga familiar que adquirimos em toda a nossa criação. Normalmente não aprendemos que só devemos conservar essa herança familiar se ela for boa e o que acontece é que preservamos conosco o bom e o ruim, o que pode prejudicar o relacionamento conjugal. Portanto, para a realização plena da aliança é necessário amadurecimento e emancipação (Gn 2:24).

Ao formarmos uma família, devemos aprender a tomar as decisões em casal, sem nos deixar influenciar pelas posturas de nossos pais e familiares. E para isso é preciso libertação de algumas amarras que muitas vezes tentam prender os cônjuges.

O casal deve buscar fortalecer um ao outro, tendo como prioridade gerar amor, comunhão e respeito no dia-a-dia. Tudo na aliança vem através da dedicação mútua e é alcançado quando o homem e a mulher decidem:

1. DEIXAR A DEPENDÊNCIA EMOCIONAL.

“Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma só carne.” (Gn 2:24)

O casal, após firmar aliança, não deve morar com os pais de nenhum dos cônjuges, mas precisam ter em mente que construir uma família fala de viver um para o outro, cuidando um do outro. A provisão para o lar virá do trabalho dos dois e não mais dos pais, como antes.

2. DEIXAR OS HÁBITOS E HERANÇAS ESPIRITUAIS DA FAMÍLIA.

“...sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver, que por tradição recebestes dos vossos pais...” (I Pe 1:18).

Muitas vezes, em virtude da convivência com os pais corremos o risco de nos tornarmos vítimas de um comportamento que poderá nos aprisionar por toda a vida. E ao entrarmos no casamento precisamos renovar a mente com base na Palavra de Deus.

Não podemos preservar conosco o que não é bom, por isso decida romper com todos os hábitos e heranças espirituais que você adquiriu em sua família que não contribuirão de forma benéfica para o seu relacionamento conjugal. Construa seu casamento firmado na Rocha.

3. DEIXAR A INFLUÊNCIA DE CERTAS PALAVRAS

“A morte e a vida estão no poder da língua, o que bem a utiliza come do seu fruto.” (Pv 18:21)

No decorrer de nossas vidas recebemos muitas palavras que são contrárias ao propósito que Deus tem para nós. Quantas palavras que foram liberadas no reino do espírito e acabaram nos influenciando, de forma errada, a maneira de pensar e de agir. Essas palavras podem interferir no relacionamento e portanto, devem ser renunciadas.

A língua maligna destrói o caluniador, o caluniado e o ouvinte e a morte causada por essas palavras, na maioria das vezes não é física, mas é mortal, porque nem sempre pode ser vista, por isso mata a alma.

4. DEIXAR PROBLEMAS DE RELACIONAMENTO FAMILIAR

“...tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus, e de que nenhuma raiz de amargura, brotando, vos perturbe, e por ela muitos se contaminem; e ninguém seja devasso, ou profano como Esaú, que por uma simples refeição vendeu o seu direito de primogenitura.” (Hb 12:15,16)

Muitas pessoas foram vítimas de agressões físicas, emocionais, sexuais e hoje carregam amargura na alma, lembranças dolorosas que podem afetar os sentimentos em relação aos pais e conseqüentemente em relação ao cônjuge.

A amargura prejudica o lar e impede que as bênçãos cheguem até o casal. Portanto, não alimente sentimentos negativos em sua vida, busque a cura de Deus para que você e o seu cônjuge tenham a melhor família de toda a terra.

Faça o conserto que for preciso, mas decida pela cura. A cura é o único meio pelo qual todo o peso do passado é removido. Precisamos arrancar todas as raízes de amargura que foram construídas no passado, porque toda raiz de amargura produz frutos amargos e nós fomos chamados a viver uma vida de plenitude, Jesus conquistou essa vida na cruz do calvário.

Deus tem bênçãos para a família de Gênesis a Apocalipse. Como Seus filhos temos um direito e uma herança de vivermos cada uma dessas bênçãos. Não abra mão de ter uma família alicerçada nas bases que a Palavra apresenta. Usufrua as benécies de Deus para o seu relacionamento conjugal, dessa forma vocês só têm a ganhar.

Família - UMA ALIANÇA DE EXCELÊNCIA
O casamento é uma aliança estabelecida entre duas pessoas. Cada uma tem sua função para ser exercida, para que se mantenham firmados no Senhor e cresçam a cada dia.
O casamento é uma instituição divina na qual um casal se une em amor por uma comunhão social e legal, com o propósito de estabelecerem uma família.
Se na aliança, cada cônjuge não exercer o seu papel, não há prosperidade no relacionamento. Funciona como em uma empresa, onde há vários setores e para cada setor uma pessoa responsável, pela execução e pelo bom andamento da empresa.
No seu casamento você e seu cônjuge precisam andar juntos, mas, cada um desempenhando com excelência e destreza a sua função, para que a casa não desmorone. Quando as funções estão trocadas, a família sofre, os filhos sofrem e o casal perde.
Cada um precisa retomar o seu papel, para construir e edificar uma aliança de excelência com o cônjuge e os filhos (Gn 1:26-30).
Quando Deus formou o homem no Éden, lhe deu autoridade para dominar sobre animais, peixes e ave, ou seja, delegou a ele autoridade sacerdotal. Porém, Deus percebeu que não era bom para o homem caminhar sozinho e administrar todas as coisas, não que ele não tivesse capacidade, mas precisava ser auxiliado. Deus então criou a mulher e celebrou o primeiro casamento.
A Bíblia diz que Deus abençoou o homem e a mulher para que caminhassem juntos, frutificassem, multiplicassem, enchessem a terra e dominassem sobre ela (Gn 1:28-30). Deus os estava abençoando com tudo para que eles tivessem uma vida tranqüila, sem necessidade de coisa alguma. Cada um recebeu a sua função específica. Adão era o sacerdote; Eva, sua auxiliadora.
Desde o princípio Deus instituiu a família e a abençoou para que Sua glória e presença sejam constantes em cada lar. O projeto original de Deus ao criar a mulher, foi fazê-la ajudadora idônea para auxiliar seu marido. Deus não criou a mulher para tomar o lugar do esposo no casamento, mas sim cooperar para que o domínio deste no Senhor seja de excelência.
O diabo, para tentar destruir o projeto de excelência do Senhor, tem trabalhado para trazer inversão dos papéis, para que não haja prosperidade na família, promovendo assim a desarmonia entre o casal.
Mas Deus que não muda em Seus propósitos, promete em Malaquias 4:6, que converterá os corações e acontecerá uma mudança de atitude na família, estabelecendo a cura na família.

VEJAMOS DOIS PONTOS IMPORTANTES:

1º O CASAL DEVE SE SUBMETER À VONTADE DO SENHOR, PARA A FAMÍLIA (Romanos 12:2).
No processo da aliança, nossa vontade própria não deve prevalecer, nossos conceitos precisam estar sendo conduzidos pelo Senhor. Como cristãos, não podemos viver como pessoas comuns, precisamos nos submeter ao Senhor, para que a vontade dEle se estabeleça sobre nosso casamento. Dessa maneira estaremos nos submetendo a liderança por Ele instituída para cada cônjuge.
A vontade de Deus estabelecida em nós pode transformar o marido e a esposa em excelentes companheiros e amantes. Quando nos entregamos em oração ao Senhor, no local secreto, sabemos qual a Sua vontade, que é sempre boa, perfeita e agradável.
Dentro da aliança precisamos nos levantar como intercessores. Há poder na oração do casal. Quando oramos colocamos uma cerca de proteção em nossa casa, marido e filhos. (Mt 18:18).
É interessante a forma como Deus trata conosco. No relacionamento é comum a esposa colocar a vida do marido diante de Deus e vice-versa, pedindo para que haja transformação na vida do cônjuge. Normalmente o tratamento a primeiro nível acontece de forma individual, ou seja, Deus mostra as áreas que precisamos mudar, para que a transformação aconteça na vida do outro.
Se você tem colocado sua aliança no altar, suas orações não têm sido esquecidas pelo Senhor, e Ele mesmo tem se levantado ao seu favor. Ele transformará sua vida e a vida de seu cônjuge.
2º MUDAR DE ATITUDE:
Em Efésios 5:22-24, há uma chamada de Deus para o casal. Enquanto não exercermos nossa função, não vemos nosso lar restaurado, o sacerdote que está omisso operando, a esposa deixando de lado toda a murmuração e não somos modelos para nossos filhos.
Quando nos submetemos a Deus, ficamos debaixo de Sua cobertura. Logo, tudo que precisa ser transformado na vida do cônjuge, quando colocado em oração diante do Senhor, Ele nos responde.
Na chamada para uma aliança de excelência, temos que exercer os requisitos que a função nos coloca, não podemos inverter. Agindo assim, teremos uma aliança baseada nos princípios da Palavra e tudo nos irá bem.

Louvor e adoração – LEVITAS DÃO FRUTOS PARA A ETERNIDADE
Sóstenes Mendes Xavier. Pastor e ministro de louvor da Igreja Batista Getsêmani.
visionrhema@uol.com.br

“LEVITA NÃO É O MÚSICO, MAS TODO AQUELE DISPOSTO A SERVIR.”

Gosto sempre de lembrar: levita não é o músico, mas todo aquele disposto a servir. Não existe uma importância maior para o músico no Reino de Deus. Tanto o que toca, quanto o que abre a porta ou limpa o chão, servindo ao Senhor, é levita.

Quero relembrar também que a glória da presença de Deus é trazida no ambiente, pelos levitas. A presença de Deus em nosso meio não se dá por nenhuma das nossas programações, liturgias, idéias, enfeites ou recursos materiais, mas pela vida dos levitas.

Se eu decido viver para servir ao Senhor e aos irmãos, então o Espírito de Deus começa a se manifestar de uma forma tão intensa que a glória de Deus vem cada vez mais intensa e poderosa.

Os levitas podem dar muitos frutos, cada um de acordo com o talento que recebeu de Deus. As igrejas podem desenvolver maravilhosos projetos e idéias, podemos construir muitas coisas, mas tudo o que produzirmos nesta terra ficará aqui mesmo, não durará para sempre. Só há um fruto que os levitas podem produzir para a eternidade. Só há uma missão ou projeto da igreja local que permanecerá para sempre. Só há um trabalho que vale a pena investirmos.

Vidas

Se nós, como levitas do Senhor, usarmos os talentos para alcançarmos vidas, caminharmos com elas ensinando a Palavra, edificando o Corpo de Cristo, então estaremos produzindo frutos eternos. Todos os recursos físicos que precisamos virão do Senhor para nós. Não precisamos nos ocupar em ajuntar, construir, fazer, realizar...

Conheço muitas igrejas em todo o mundo. Vejo muitas delas, inclusive bem perto de nós, que se ocupam demais em construir e ampliar o patrimônio, são igrejas e ministérios que não “armazenam” frutos na eternidade.

Mas conheço também muitas igrejas que estão crescendo e sendo tremendamente usadas por Deus para o resgate de milhares de vidas. Elas também constroem, pois a cada dia precisam de mais espaço para comportar as vidas, mas a prioridade continua sempre sendo as vidas. Precisamos estar na presença do Senhor para recebermos mais e mais unção e poder, a fim de sermos autoridades espirituais, resgatando e instruindo muita gente, no caminho santo da vida cristã.

Parece que estes objetivos de vida não têm muito haver com os músicos. Vemos sempre os músicos envolvidos em gravações, shows, projetos e projetos... Meus irmãos, todos os frutos que podemos produzir com nossas mãos, se não forem simples instrumentos para abençoar vidas, então serão queimados como palha no fogo. Somente as vidas transformadas pelo Espírito Santo através de nós, serão frutos eternos.

De que me importa produzir tanto nesta Terra e não poder apresentar meus frutos na eternidade? Quero usar os talentos que recebi do Senhor, para que Ele possa realizar Seu maior desejo: salvar vidas. Quero ser alguém que quando toca ou canta, gera o mover de Deus para transformação de vidas. Quero ser um canal de salvação e edificação.

Não quero passar minha vida “realizando coisas” Não quero me gastar em projetos, quero me gastar nas mãos do Senhor para edificação de vidas, frutos eternos. Como levita do Senhor, o que você tem produzido para o Reino? Os frutos que brotam da tua vida são frutos eternos ou passageiros?

É claro que executaremos muitos projetos terrenos, dirigidos pelo Senhor. Porém todos os projetos precisam ter um só objetivo: alcançar e discipular vidas! Os ministérios de música das igrejas precisam entender cada dia mais a função espiritual dos levitas e da própria música. Enquanto servimos ao Senhor com nossos talentos musicais, gerando louvor e adoração, não produzimos apenas arte, mas produzimos palavras e sons proféticos que geram o mover da Palavra, o mover do próprio Jesus.

Desafio você a se reunir com o departamento, ou o ministério ao qual pertence em sua igreja e ter um tempo de oração e busca diante do Senhor. Clamem a Ele pedindo mais e mais sabedoria quanto às atividades que lhes tomam o tempo. Declaremos juntos ao Pai: Senhor, queremos ocupar toda a nossa vida em projetos vindos do céu para salvação e edificação de vidas. Queremos ser levitas de verdade. Queremos produzir frutos para a eternidade!


louvor eadoração - A ADORAÇÃO, O LOUVOR E A MÚSICA
Daniel Souza é pastor e músico vinculado à Igreja em São Vicente/SP
Fonte: www.ameprod.com.br
Enquanto a adoração fala do que somos, o louvor fala do que fazemos. A adoração é gerada dentro do homem, onde só Deus pode ver. O louvor inevitavelmente se exterioriza, onde os homens também podem ver. Como vimos até aqui, adoração significa reverência a Deus, através de uma vida de reconhecimento e amor.Não é possível adorar sem louvar, mas é possível louvar sem adorar.

Deus disse: "...este povo se aproxima de mim, e com a sua boca e com os seus lábios me honra, mas o seu coração está longe de mim..."

Os verdadeiros adoradores estão compromissados com Deus interior e exteriormente. A música é um veículo, um transporte para o louvor e a adoração. Louvar a Deus se torna muito agradável com o respaldo (apoio) da música. É muito gostoso expressar nosso louvor a Deus através dela. A música não é fundamental mas coopera. Ela tem sua importância:

- É uma criação de Deus (Romanos 11.36; Apocalipse 4.11);
- E como a bíblia nos mostra, a música está presente até no céu (Apocalipse 14.3; 15.3).

A bíblia faz inúmeras menções sobre o louvor a Deus com a música:

- "Davi e toda a casa de Israel alegravam-se perante o Senhor, com toda sorte de instrumentos..." (2 Samuel 6.5)
- "Louvai ao Senhor, porque o Senhor é bom; cantai louvores ao seu nome, porque é agradável." (Salmos 135.3)
- "Louvarei ao Senhor durante a minha vida; cantarei louvores ao meu Deus, enquanto eu viver." (Salmos 146.2)
- "Louvem-lhe o nome com flauta; cantem-lhe salmos com adufe e harpa." (Salmos 149.3)
- "Louvai-o ao som da trombeta; louvai-o com saltério e com harpa. Louvai-o com adufes e danças; louvai-o com instrumentos de cordas e com flautas. Louvai-o com címbalos sonoros; louvai-o com címbalos retumbantes." (Salmos 150.3-5)

A adoração pode conter a música, mas nem sempre a música contém adoração


EDIFICAÇÃO - UM GRITO NO SILÊNCIO
INTRODUÇÃO - À medida que orava pedindo a Deus mais um título que viesse a edificar a vida de tantos quanto o lêem, senti uma grande necessidade também de pedir pelos solitários, pelas pessoas que não tem esperança, vigor e alegria. Que o Senhor me desse um livro para que meus queridos irmãos descobrissem o motivo pelo qual “Ele” os colocou neste mundo. Me entusiasmei quando Deus me mostrou todas as coisas maravilhosas que acontecerão com vocês. “Aconteceu comigo”!, jamais fui o mesmo quando Deus me mostrou o propósito da vida.
Este maravilhoso estudo dará a você ânimo para prosseguir, pois a principal fonte inspiradora foi: O Senhor Jesus que nos deixa um recado de esperança, amor, e que você não está sozinho, seja no deserto; trancado em seu quarto, “Um Grito no Silêncio” trará, à luz da Bíblia, recomendações feitas pelo Senhor para que você jamais desista. E assim como Calebe, receba sua herança e tenha força para poder entrar e sair das dificuldades com alegria, mesmo quando os outros vejam só “problemas”.


I - NO CAMINHO DE GAZA
Atos 8: 26-39

Este capítulo e no vs 26 em diante, passo a passo tentaremos, à luz e sabedoria das recomendações do Espírito Santo, ajudá-lo a encontrar seu destino. Talvez você esteja precisando de um ombro onde possa recostar sua cabeça e, não tem ninguém que o leve e o ensine tal caminho.

Na passagem de Atos 8:26, que é muito conhecida de todos nós, fala de um homem; de um eunuco. Notemos que ele caminhava por um lugar deserto e diz o texto que tinha ido a Jerusalém adorar a Deus. “AO CAMINHO QUE DESCE DE JERUSALÉM PARA GAZA, QUE ESTÁ DESERTO”v26b. Muitos pregadores inclusive grandes teólogos, discutem a respeito do batismo do eunuco, pois lançam sempre esta questão: onde poderia haver água no deserto? Se havia um poço ou um oásis. Lendo claramente, o mesmo não diz que o eunuco estava no deserto e sim que: vinha por um caminho que está deserto e isto é bem diferente, pois Felipe não o encontrou no deserto e sim, no caminha que está deserto, notaram a diferença? O eunuco estava voltando de Jerusalém onde tinha ido adorar à Deus; a pergunta é: Porque ele voltava pelo caminho de Gaza que estava deserto? Este homem era uma pessoa muito importante, alto oficial e tesoureiro real da rainha etíope, Candace (o nome era “Amaniterer”, o título de Candace era atribuído à todas as rainhas etíopes, pois reinavam em lugar de seus esposos pois estes tais, eram considerados santos de mais para reinar ficando distante de seus súditos). Podia andar por onde quisesse, era rico importante, mas fez questão de voltar para casa por um caminho que ninguém usava à muito tempo, tanto que o tal caminho, acabou ficando totalmente deserto.
Gaza foi destruída pelo rei hasmoneano Alexandre Janeu, em 93A.C
E em 57 A.C, o governador romano de nome Gabino, criou uma outra rota dando inicio à uma nova cidade do mesmo nome: Gaza, próximo ao mar Mediterrâneo a uns quatro quilômetros de distância. Por esta nova rota, passavam todos os que subiam a Jerusalém, comerciantes, viajantes de todos os lugares e, possivelmente o eunuco. Se ele foi a Jerusalém por um caminho onde todos usavam, cheio de caravanas, comerciantes e viajantes de todas as nacionalidades, eu Pergunto outra vez. “Porque então o eunuco voltou por um caminho que à muito ninguém usava?


II -A PROVIDÊNCIA DE DEUS
Vs 27

Vejo na vida deste homem a providência de Deus. O eunuco poderia voltar na nova rota vindo de Jerusalém. Pois bem, embora aquele homem fosse bastante conceituado, de autoridade e de total confiança da rainha, sofreu severas discriminações pelos judeus ao chegar ao templo para adorara o mesmo Deus que os “judeus” adoravam. Porque? Ai está a resposta pelo qual ele voltou por tal caminho: “discriminação”. Antes de continuar, quero compartilhar com vocês o caso de uma irmã que sofria de aids, membro de uma determinada igreja a qual nos é desnecessário dizer a denominação. Rica, com apartamento de frente para o mar, muito respeitada, viúva. Chegou à esta igreja ainda não convertida com sérios problemas emocionais, completamente solitária carente de um abraço. Com todo o dinheiro que tinha não conseguia afastar o fantasma da doença que lhe acompanhava.
Pensando que, a partir do momento que entrasse naquela igreja, fosse encontrar a resposta do que procurava para sua vida, se converteu e passou a freqüentar os cultos com determinada regularidade, estava próximo o dia de seu batismo quando resolveu contar a um irmão que gostaria que Deus a curasse de sua doença. Até àquele momento a tal irmã ainda não havia revelado à ninguém que estava com aids, o irmão ouviu atentamente e sem dar uma palavra se afastou e comentou com o pastor.
A irmã depois de alguns dias começou a perceber que, ao sentar em qualquer lugar na igreja, as pessoas se afastavam e evitavam chegar perto, a ponto de não ter mais lugar na frente da igreja para que ela, como era costume seu, pudesse se acomodar e prestar culto ao Senhor. Aos poucos a irmã foi se afastando, se afastando, afastando. Percebeu então que estavam a abandonando, não adiantava ser importante, ter dinheiro e posição social. Por causa de sua mutilação ela entendeu que não podia adorar a Deus do mesmo modo que uma pessoa normal.
O isolamento foi a solução para aquela irmã, noites e noites lia a Bíblia e dormia com o Livro Sagrado repousado no peito, foi abandonada e da porta da igreja não podia passar; não era impedida verbalmente mas, a indiferença dos irmãos falava mais alto. Qual a solução? Gritar no silêncio. Abandonar o templo e voltar para casa sem que ninguém pudesse explicar o que era o batismo, o que era ser nova criatura.
Este foi o motivo que levou aquele eunuco a procurar o caminho de Gaza que estava deserto. A discriminação o preconceito e tantas outras coisas que nos impedem, “por parte de alguns cristãos”, de ir ao templo e adorar a Deus. Lembrem que o eunuco era rico auto funcionário de um império, mas para ele era muito mais importante servir ao reino de Deus do que ao reino de uma rainha e foi com este intuito que o homem subiu a Jerusalém; Jesus disse: “Mas ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Pois que fechais aos homens o Reino dos céus; e nem vós entrais, nem deixais entrar os que estão entrando, ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Pois percorreis o mar e a terra para fazer um prosélito (novo convertido, N. Aut.); e, depois de Ter feito, o fazeis filho do inferno duas vezes mais do que vós. Condutores de cegos! Coais um mosquito e engolis um camelo(...) Mt 23:13,15,24.

III - PALAVRA ESCRITA E A PALAVRA FALADA
Vs 28

Prosélito da porta, “ou seja, novo convertido à fé judaica que só podia adorar a Deus da porta do templo para fora; não podia entrar”. Era assim que chamavam-no. Porque? 1º Era negro, e os etíopes descendiam da semente de cão filho de Noé raça amaldiçoada, pois foi deste que se originou a raça negra. 2º Era mutilado, castrado e para os judeus estes tais eram considerados impuros e indignos de entrar na casa do Senhor para adora-lo. Não podiam passar da porta do templo, adorando ao Senhor do lado de fora.
Isto deve ter decepcionado aquele homem sobremaneira, não precisava passar por aquela humilhação, afinal tinha posição social, dinheiro e o que era pior, amado por aqueles que eram idolatras e que por muitas vezes zombavam do Senhor.
Penso que o eunuco viajou pela nova rota, indo a Jerusalém, durante todo o tempo pensando na felicidade que seria entrar no templo como qualquer ser humano normal, assim como nossa irmã o fez. Como ela, ele também foi posto para fora da casa do Senhor, a única coisa que ele queria era conhecer a Jesus, mas não houve ninguém que o discipulasse, que o instruísse na palavra da verdade falasse à ele de Nosso Senhor. A irmã estava prestes a se batizar, mas quando descobriram que tinha uma doença contagiosa, ao invés de cura-la no nome de Jesus e mostrar o verdadeiro amor que há no nome Dele. Com seus lábios silenciosos e com indiferença falaram que ela era uma prosélita da porta, ou seja, só poderia adorar à Deus longe para não contaminar aos outros.
Ao retornar para casa o eunuco preferiu a solidão, não queria ver e falar com ninguém, procurou então o caminho que estava deserto, (...) “mas as mãos do Senhor não estão encolhidas para que não possa salvar: nem o seu ouvido, agravado, para não poder ouvir (...) Is 59:1.
Aquela irmã também procurou se isolar indo por um caminho deserto, mas, um dia eu estava em minha igreja, já no final da tarde, e uma senhora vem até mim com um panfleto para evangelização; de nossa igreja, estava chorando muito. Ali ela me contou o seu caso e desesperada, a minutos antes tinha saído para se matar. Comentou que ao passar me viu e o Espírito Santo a fez entrar e se encontrar comigo. Ocasionalmente eu estava lendo o livro do profeta Isaias cap. 53. Ouvi atentamente e ao terminar perguntei se ela ainda via esperança naquele coração em liberar perdão àquelas pessoas? Isto dependeria por completo a sua cura, então preguei o amor de Jesus por ela e que a partir daquele momento ela não estaria mais sozinha. Bom meus queridos orei por ela pedindo a sua cura, Jesus a curou de sua aids, eu a batizei e fiz o seu casamento, hoje ela está com o seu marido mora em outra cidade feliz e na presença do Senhor. Creio que os irmãos conhecem na ponta língua a história do eunuco, Felipe foi usado para ir ao encontro dele, para salva-lo da doença que lhe afligia, talvez você esteja passando pelo mesmo problema, está gritando no silêncio. Quando as portas do templo se fecharam para aquele homem, o coração de Deus se abriu para ele e o conduziu à vida eterna. Muitos são os caminhos do Senhor e os nossos destinos já estão traçados. Aquele homem precisava de um amigo, de alguém que o amasse como ele era. Então tomou conhecimento do amor de Jesus, aqui se cumpre aquilo que Jesus disse: “Aquele que vem a mim eu jamais lançarei fora”. A Palavra que estava escrita agora tinha sido falada e isso salvou aquele homem , salvou aquela mulher e a curou.
Tenha esperança meu querido leitor, as pessoas podem lhe colocar para fora da congregação do homem, mas Deus lhe acha em qualquer lugar e se apresenta. (...)“Se o mundo vos aborrece, sabei que, primeiro do que a vós, me aborrecem a mim. Se vós fôsseis do mundo , antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos aborrece (...).
Tudo bem! Jesus está falando das pessoas do mundo, mas quem odiou aquela irmã foram nossos irmãos! fomos nós! As pessoas que discriminaram o eunuco eram considerados e chamados de “justos”! Quantos irmãos vamos lançar no abandono? Para Jesus não há defeito congênito, mutilação, doença, pobre ou rico, negro ou branco. A nação toda está gritando e silenciosamente cada lar, cada família! A cada momento lemos nos jornais , manchetes de crimes bárbaros, alguns causados por nossos irmãos. E o que fazemos? Ao invés de orar por eles interceder para que a justiça de Deus cumpra seu dever. Ajudamos a enterrar mais e desprezamos, esquecendo que Jesus disse “Vos julgais segundo a carne, eu a ninguém julgo” Jo 8:15. Nosso proceder deve ser como o de Moisés quando incansavelmente intercedia por um povo notoriamente pervertido, murmurador, de caráter duvidoso e de personalidade fraca: “Assim, tornou Moisés ao Senhor e disse: Ora. Este povo pecou pecado grande, fazendo para si deuses de ouro. Agora, pois, perdoa o seu pecado; se não, risca-me, peço-te, do teu livro, que tens escrito” Ex 32:32. Conhecemos o restante do história, embora Deus não mudasse de opinião com relação ao castigo imposto. Mesmo assim Moisés intercedeu por um povo pecador, deixando a justiça divina tomar seu curso.
Façamos o mesmo! Quantos estão abandonados precisando de amparo! Deveríamos passar algum tempo num presídio, num hospital, pelo menos algumas horas na madrugada acompanhando a rotina de quem está nas esquinas sofrendo a discriminação gritando de fome chorando por que não tem uma família, um pai ou uma mãe para acalenta-los. Perceber aquele empresário que com todo o dinheiro que tem não impede que seu filho saia do caminho das drogas, que seu casamento seja uma benção, ele também grita no silêncio por um amigo que possa compreender a solidão de sua vida e ajuda-lo a encontrar a verdadeira felicidade do lado de Jesus Quem fará o papel de Felipe na vida destas pessoas?
Passei algum tempo trabalhando voluntariamente como capelão no Hospital Evangélico no pavilhão de cardíacos e renais. Nas visitas de costume, entrei numa das enfermarias onde havia um homem negro sentado e parado com os olhos fitos no ar, notei um olhar perdido no vazio e lagrimas em sua olhos. “Posso lhe ajudar”? Perguntei. O homem olhou para mim e percebendo quem eu era, começou a falar: “como a vida é engraçada”! Estou jogado neste hospital a dias e não vem ninguém da minha família me visitar”! Amados, o pré operatório por si é traumático, imaginem alguém sendo deixado por familiares, por amigos! E olha que aquele homem outrora tinha dinheiro e uma excelente situação financeira mas, por causa da doença havia gastado todas as economias com médicos e hospitais. Sem contar com os advogados , pois sua esposa o tinha abandonado. Ali eu vi claramente a importância de um abraço, de uma palavra amiga. Aquele homem tinha sido abandonado por todos pois, agora estava mutilado, não servia mais aos propósitos interesseiros daqueles que bem de perto o acompanhavam nos momentos de fartura. Deus jamais nos deixa desamparado. Por alguns dias nos falamos e vi uma pequena melhora na auto estima daquele homem, sinto não ter podido acompanha-lo por mais tempo, após a cirurgia de transplante de rins, foi transferido para outro hospital mas sabendo que Jesus não o abandonou e que seus pecados estavam “perdoados” no momento em que ele aceitou o Senhor como seu salvador. (...)“ Não me trouxeste o gado miúdo dos teus holocaustos, nem me honrastes com teus sacrifícios; não te fiz servir com ofertas nem te fatiguei com incenso. Não me comprastes por dinheiro e cana aromática, nem com a gordura dos teus sacrifícios me enchestes, mas me destes trabalho com os teus pecados e me cansastes com tuas maldades. Eu, eu mesmo, sou o que apaga as tuas transgressões por amor de mim e dos teus pecados não me lembro”(...) Is 43: 23,2425.
Amado, não desanime! Jamais desista. Você pode ser um destes que está com um grito entalado na garganta e silenciosamente caminha por entre as madrugadas da vida, tentando sobreviver nesta sociedade discriminatória. Saiba que tem jeito, Jesus está mandando nesta mensagem, um recado direto a seu coração. Eu não os conheço, mas O Senhor conhece e lhe diz: (...) “O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei. Ninguém tem maior amor do que este: de dar alguém a vida pelos amigos. Tenho-vos dito isso, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflição, mas tendes bom ânimo; eu venci o mundo”(...) Jo 16:12,13 e 33.
Seja feliz, amem???


Mensagem de EDIFICAÇÃO
DRÁCMAS PERDIDAS EM CASA
Texto: Lc 15: 8-10

INTRODUÇÃO:
Na conclusão do texto bíblicos acima, é justamente isto que encontramos: uma casa em festa. A personagem reúne as amigas e vizinhas dizendo: “alegrai-vos comigo”. Faz uma grande festa no bairro.
É alegria contagiosa, notória, real. É alegria de nossos sonhos. É alegria que se opõe ao caos, à dor, ao alvoroço criado pela tragédia e, se opõe à angústia.
Alegria que empurra o desespero para longe. Alegria que expulsa as lágrimas e toda situação de morte.
É o contrário que lemos sobre a casa de Jairo: Mc 5:39 – “Chegando à casa do chefe da sinagoga, viu Jesus um alvoroço: os que choravam e os que pranteavam muito”.
Aqui, vemos alegria no lugar onde mais precisamos vê-la, transbordando em casa.
Precisamos muito da alegria em casa porque quando ela ali existe, saímos em paz para o trabalho, para a escola, para a igreja, para onde formos.
Trabalhamos melhor e produzimos mais, quando a casa vai bem. Voltamos para casa com pressa. O marido descrito em Pv 31:10-31 é bem sucedido no trabalho, porque tudo vai bem em casa.
No estudo não é diferente: muitos vão mal na escola porque estão mal em casa. Geralmente, os péssimos alunos são de famílias destruídas ou em decomposição.

UMA FIGURA CHEIA DE VERDADE:
Trata-se de uma parábola que Jesus contou pontuando que há maior júbilo no céu por um pecador que se arrepende, que por noventa e nove justos que não precisam de arrependimento.
Aqui nesta narrativa, Jesus usa a figura de uma mulher que tendo dez moedas, perde uma, dentro de casa, e sai a sua procura até encontrá-la. Encontrando, faz uma grande festa. Esta figura encaixa muito bem com a realidade de muitos lares, onde os valores desapareceram, e, precisa-se praticar os valores bíblicos para achá-los, para que a alegria do lar seja restaurada.

AS DRÁCMAS PERDIDAS:
As drácmas eram o dinheiro da época. A mulher perde algo de valor. Quais os valores que estão perdidos dentro de nossa casa?

Vamos enumerar alguns:

1) Sumiu a drácma do respeito:
- Considerar o valor do outro
- Tratar as pessoas com dignidade
- Dar importância a elas
- Quem respeita ouve com atenção, participa dos sonhos do outro. Vide Cl 3:20-21, I Pe 3:7,1
- Quanta gente egoísta nos lares, pensam somente em si mesmas, procurando a qualquer preço esmagar os outros, Gente que mente, que trai a confiança, gente que usa os outros.

2) Sumiu a drácma do carinho:
O carinho é outra manifestação do amor verdadeiro, assim como o respeito. Essa é outra drácma rara.
O carinho traz o beijo, o abraço gostoso. Carinho de pai e filho, que andam sempre juntos, que desenvolvem um diálogo amigo. Carinho de cônjuges que ainda trocam elogios, que priorizam um ao outro, que sentem prazer quando estão perto.
Vide I Pd 3:8-9 – Atente para as expressões “fraternalmente amigos“ e “bem dizendo“.

3) Sumiu a drácma da espiritualidade:
A vida religiosa ou espiritual tem se limitado a casar no religioso ou batizar filhos na igreja e nada mais.
Depois só voltam a pensar em Deus numa grave enfermidade ou velório.
Outros vão um pouco mais adiante, indo a igreja nos cultos dominicais. Mas, em casa, nada. Não há mais louvor, vida de oração ou culto doméstico dentro do lar. O temor e zelo para com o Reino de Deus tem sido escasso. Hoje quando projetamos as nossas casas, é comum reservarmos um cômodo maior para o ídolo do lar: a televisão – aquela a quem se dedica maior tempo e atenção. E nos esquecemos de reservarmos uma sala de oração e culto no lar.

COMO REENCONTRAR AS DRÁCMAS PERDIDAS
No texto, encontramos atitudes sábias da mulher que perdeu a drácma.
Atitudes que, se imitadas, nos ajudam a restaurar os valores que estão desaparecendo em nossos lares.

1) DECIDA SER O HERÓI DA SUA CASA
Pais procuram os pastores para dar um jeito nos seus filhos. Cônjuges e filhos fazem o mesmo. Mas o que vemos no texto a expressão “porque achei a drácma que tinha perdido”. Foi ela quem procurou e achou.
Você acha que alguma coisa precisa ser restaurada em seu lar? Decida então você ser usado por Deus, para essa missão.
Decida pela sua própria mudança, visando a restauração do seu lar. Primeiro é necessário estar bem contigo.

2) VALORIZE OS PEQUENOS DETALHES
A mulher tinha dez drácmas, perdeu apenas uma. Ficou com nove, com a maioria, mas antes de perder uma segunda, ou a terceira, parou para costurar a carteira. Parou para correr atrás do pequeno prejuízo.
Lembre-se a broca é um pequeno inseto, mas aos poucos corroem a estrutura de um grande armário.
A falta de um “bom dia” ao se levantar, a falta de “um parabéns” pelo aniversário de casamento, deixar de usar um desodorante, de não escovar os dentes, não gravar as datas, de não falar um boa-noite ao deitar. Peça a Deus discernimento quando às suas ações.

3) NÃO ACEITE O CAOS COMO NATURAL
Diz o texto que a mulher procurar. Isto é, ela não se assentou na cadeira da comodidade dizendo: “a vida é assim mesmo! É comum perder uma moeda tão pequena. Deixa pra lá!” Ela reagiu, se esquentou, foi atrás. Ela procurou. Quantos se assentam na cadeira da comodidade, acham que o mundo é assim mesmo, não tem como melhorar, ou afirmam que todo marido é safado mesmo. Ou todo adolescente é rebelde mesmo...
Na verdade muito não acham nada, porque não estão procurando.
Decida agora mesmo procurar um meio de salvar ou melhorar o seu lar.

4) HUMILHE-SE PARA FAZER MUDANÇAS
A mulher para achar a drácma varreu a casa. Apanhou a vassoura e levantou poeira. Para varrer até encontra-la teve que remover tapete e até trocar móveis de lugar. Varrer incomoda, pois mexe com o que já se assentou.
Talvez esteja faltando isso em sua casa?
-varrer sua boca para produzir novas palavras
-varra seu tempo, para dar mais tempo à família
-dê uma varrida na sua arrogância, para ter mais espaço e servir aos membros do lar.
-varra sua mente, seu coração, isto é, santifique-se mais.
Santidade quer dizer pureza.
Em João 16:8 a Bíblia nos diz que o Espírito Santo nos convence do pecado..., Ele irá revelar os cantos que precisam ser varridos dentro de sua casa, para encontrar valores perdidos.

5) SEJA DILIGENTE
Seja obcecado por este propósito. É fortíssima esta expressão no texto: “até encontra-la”. Ela só parou de procurar quando encontrou. Há os que procuram os valores perdidos dentro do lar como meninos mal mandados: dá só uma olhada por cima e diz que não adianta, que não encontrou. Procuram com tanta má vontade, com preguiça que, mesmo estando próximo, não o encontram.
Coloque a restauração de seu lar como um ideal de vida. Não desista fácil, vá em frente, continue procurando um método, um meio, uma bênção para o seu lar, para ele voltar a ser o que era.

6) SOBRETUDO ACENDA A CANDEIA
Esta é a decisão mais importante. Foi a primeira coisa que ela fez: acendeu a lamparina. No escuro ficaria dificílimo procurar.
Talvez você não tem achado nada de valor na sua casa, porque falta acender a luz. Jesus disse: “Eu sou a luz do mundo, quem me segue não andará em trevas, pelo contrário terá a luz da vida” (Jo 8:12).
O envolvimento sério com Jesus muda a nossa história, nossa vida, nossa casa, e isto é básico para encontrarmos as drácmas perdidas.
Tem pessoas sofrendo porque perderam drácmas em casa e, sofrem mais, porque estão procurando e não acham, estão cansadas, desesperadas e desanimadas. O que falta? Falta acender a luz!
Ter Jesus é se entregar totalmente a Ele, deixando-O dirigir a sua vida, pela Bíblia, procurando sempre estar em comunhão com Ele pela oração. È se dispor a servi-Lo.
CONCLUSÃO:
Abra o coração e deixe Cristo entrar e, você terá luz para achar a sua drácma perdida.


MENSAGEM DE DIFICAÇÃO -
RECOMEÇANDO
Por Robert J. Tamasy

Ocasionalmente ouço alguém dizer: “Se tivesse que viver outra vez, não mudaria nada”. Invejo essas pessoas, porque a minha vida não tem sido assim tão arrumada. Se pudesse refaze-la, mudaria muitas coisas. Se ao menos soubesse então o que sei agora!...

É claro que, exceto em fantasias sobre viagens no tempo, as pessoas não podem voltar atrás. Apenas podemos lembrar do passado enquanto vivemos o presente e planejamos o futuro. Mas com o passar de cada ano, há sempre o sentimento de um novo começo, um ponto de demarcação para mudanças necessárias e importantes no trabalho, relacionamentos, atividades, finanças e outras áreas.

Ao olharmos para o início do ano, a pouco tempo, consideramos a possibilidade de fazer as coisas de modo diferente, reescrever metas pessoais e profissionais, tomar “decisões”. Mas a vida é complexa e não podemos restaurar tudo o que parece necessitar de mudanças ou consertos. Ao fazer planejamentos ou estabelecer objetivos é melhor sempre conservar a simplicidade.

Nossos planos devem ser razoáveis para não nos frustrarmos ou desanimarmos. Se estiver devendo alguns milhares de reais, por exemplo, planejar ficar livre de dívidas até o final do ano, talvez seja algo irreal. Ao invés disso, que tal lutar para reduzir substancialmente essa dívida, saldando parte dela nesse período? Talvez tenha sonhado em ter seu próprio negócio, mas lhe faltam recursos para iniciá-lo. Quem sabe não seja uma boa estratégia ocupar-se de uma atividade paralela que desperte seu interesse, observando-a crescer gradualmente, até atingir o ponto em que seja auto-sustentável e possa manter você e sua família.

Nossas metas devem ampliar nossas possibilidades, desafiando-nos a níveis elevados de realização. Mas precisam ser mensuráveis e alcançáveis. Não almeje, por exemplo, competir numa maratona na próxima semana ou numa prova de triatlo, se nunca correu um quilômetro sequer. Ás vezes, metas são melhor atingidas através de passos sucessivos. A meta de receber treinamento ou educação adicional no próximo ano, a fim de preparar-se para uma mudança de carreira, pode ser ingrediente vital para crescimento profissional a longo prazo. A Bíblia oferece princípios valiosos para se começar de novo, formulando planos e estabelecendo metas:

. DEIXAR O PASSADO NO PASSADO. Pessoas sábias aprendem com o passado, mas ficar lembrando fracassos passados é contraproducente e leva à derrota. O apóstolo Paulo se arrependia de coisas que havia em seu passado. Mas sabendo que não poderia mudá-las, decidiu simplesmente viver o presente e preparar-se para o futuro. “Uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que ficaram para trás e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo, a fim de ganhar o prêmio do chamado celestial de Deus em Cristo Jesus” (Filipenses 3.13-14).

. AGIR CONFORME OPORTUNIDADES PRESENTES. Muitos estão sempre planejando ou aspirando fazer algo de significativo, mas nunca colocam seus planos em ação, transferindo-os sempre para outro dia. A procrastinação é inimigo natural do sucesso. “Ouçam agora, vocês que dizem: ‘Hoje ou amanhã iremos para esta ou aquela cidade, passaremos um ano ali, faremos negócios e ganharemos dinheiro.’ Vocês nem sabem o que lhes acontecerá amanhã! ...Quem sabe que deve fazer o bem e não o faz, comete pecado” (Tiago 4.13-17).

. FAZER PREPARATIVOS RAZOÁVEIS PARA O FUTURO. O problema com o futuro é a incerteza. Quem sabe que acontecimentos inesperados afetarão nossos planos? Deus sabe. Então, faz sentido quando planejamos consultá-lo, buscando Sua sabedoria e direção. “Consagre ao Senhor tudo o que você faz, e os seus planos serão bem-sucedidos” (Provérbios 16.3). “Em seu coração, o homem planeja o seu caminho, mas o Senhor determina os seus passos” (Provérbios 16.9).